PERDOAR-A-INFIDELIDADETexto. I Cort. 4.2

Além disso requer-se dos despenseiros que cada um se ache fiel… (II Sm. 3:20-27)

Introdução:

O objetivo do estudo deste mês é compreendermos que a deslealdade é um processo. E uma vez entendendo este processo, precisamos identificar se estamos de alguma forma, inseridos em algum dos estágios dos quais iremos tratar.

1. Primeiro estágio: Espírito Independente.

Nesta fase a pessoa é autônoma no meio da Igreja, faz o que acha que tem que fazer, vai às reuniões que julga serem importantes, obedece às ordens que quer, seus desejos/motivações estão acima de qualquer nível de submissão à autoridade. Vemos isso na vida Joabe (II Sm. 3:20-27) ao invés de se submeter à decisão de Davi em se aliançar com Abner, cujo propósito era proclamar a Davi como rei em todo o Israel, suplantou os planos de seu líder por causa de suas motivações pessoais (vingar a morte de seu irmão).
À luz da Palavra, no que diz respeito à autoridade espiritual, qual deve ser a nossa postura quando temos uma opinião divergente do nosso líder? “Obedeçam aos seus líderes e submetam-se à autoridade deles. Eles cuidam de vocês como quem deve prestar contas. Obedeçam-lhes, para que o trabalho deles seja uma alegria e não um peso, pois isso não seria proveitoso para vocês.” (Hb. 13:17 – NVI) Mesmo que o líder tome decisões acerca das quais temos um ponto de vista diferente, precisamos respeitar e contribuir para o avanço da missão.Em II Sm. 18:5-14, Joabe ataca novamente. A ordem de Davi foi clara ao ordenar que Joabe não fizesse mal a Absalão. Entretanto, Joabe ordena que no campo de batalha matassem o filho de Davi. Estas não foram as únicas atitudes de Joabe de independência. Entretanto, o que precisamos destacar é que os que vivem sob influência de um espírito independente fazem o que acham certo e não o que seus líderes orientam que façam. È uma obediência Conveniente e circunstancial.

2. Segundo estágio: Ofensa.

Pessoa ofendidas são profundamente marcadas e devem procurar cura, caso contrário, podem dar lugar à deslealdade. O maior exemplo disso é Absalão que viu o Pai deixar de julgar (era a função do rei) Amnon, seu irmão, que estuprou Tamar, filha de Davi. Com isso, ele se sentiu ferido duas vezes: pelo irmão que fez o que fez com a irmã e pelo pai por ter perdoado o ato de Amnon.

Sabemos que não estamos livres das ofensas no corpo de Cristo. À luz da Palavra, como devemos tratar as ofensas? “Cuidem que ninguém se exclua da graça de Deus. Que nenhuma raiz de amargura brote e cause perturbação, contaminando a muitos.” (Hb. 12:15) A ofensa abre a porta para o espírito de traição, pois a pessoa passa a se sentir no direito de questionar a bênção e autoridade de Deus que está sobre a vida da liderança.
Alguém ofendido é alguém malucado com alguma ferida, logo mais propenso a uma ação gerada pela dor.

3. Terceiro estágio: Passividade e Crítica

Depois de serem ofendidas por alguma coisa, as pessoas tendem a se tornarem passivas, porque não souberam tratar a ofensa à luz da Palavra. Ficam desinteressadas pelas coisas que envolvem a igreja local, e quando “fogem” para outro ministério, procuram não se envolver em responsabilidades. “Maldito o que faz com negligência o trabalho do Senhor! Maldito aquele que impede a sua espada de derramar sangue!” (Jeremias 48:10 – NVI) O Senhor fala do que guarda a espada do sangue. Isto é pior do que não ir à batalha. O texto nos dá a impressão de que está falando de alguém que vai à guerra, mas que na hora da luta decide não lutar. Falamos aqui de alguém que tem algo a oferecer, mas decide deliberadamente em não fazer nada. Compartilhe: Entendendo que a passividade é nociva a nossa vida na igreja local, que atitudes devemos tomar para sairmos desta condição? Em II Sm. 13:22 Absalão fica calado durante dois anos. É importante destacar que o estágio da passividade quando não detectado e tratado, pode levar a pessoa a cometer erros ainda maiores. Absalão estava a caminho de ordenar a morte de seu próprio irmão (II Sm. 13:28). É interessante notar como a passividade e a crítica estão ligadas.

Continua……

Deixe aqui seu Comentário